Você pode passar a sua vida sem Jesus, mas vai ser terrível morrer sem Ele!!!

Você pode passar a sua vida sem Jesus, mas vai ser terrível morrer sem Ele!!!

Paulo Junior:

Loading...

domingo, 21 de agosto de 2011

Como adorar a Deus em vão - John Piper.

EXTRA! EXTRA! ÚLTIMOS ACONTECIMENTOS. <pastoralexandrenasc@gmail.com>


Como adorar a Deus em vão – John Piper

Posted: 20 Mar 2011 10:10 AM PDT

Postado por Marcos Stockstill

   Olhemos para Mateus 15.8: podemos "adorar" a Deus em vão. "Este povo honra me com os lábios, mas o seu coração está longe de mim." Um ato de adoração é vão e fútil quando não vem do coração. Isso estava implícito nas palavras de Jesus à adúltera samaritana: " Os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque são estes que o Pai procura para seus adoradores" (Jo 4.23). Mas o que é essa experiência do espírito? O que acontece no coração quando a adoração não é em vão?

   É mais do que um mero ato de força de vontade. Todos os atos exteriores de adoração são atos da vontade. Isso, porém, não os torna autênticos. A vontade pode estar presente (por todos os tipos de razão) sem que o coração esteja genuinamente envolvido (ou, como diz Jesus, "longe"). A atuação do coração na adoração é o despertar de sentimentos, emoções e afetos do coração. Lá onde os sentimentos por Deus estão mortos, a adoração está morta.

   Os afetos que tornam autêntica a adoração Agora sejamos específicos. Quais são esses sentimentos ou afetos que tornam autênticos os atos exteriores de adoração? Para chegar à resposta, recorreremos aos salmos e aos hinos  inspirados do Antigo Testamento. Um conjunto de afetos diferentes entrelaçados pode tomar conta do coração a qualquer momento. Portanto, a extensão e seqüência da lista abaixo não têm a intenção de limitar as possibilidades de prazer no coração de alguém.

    Talvez a primeira resposta do coração ao ver a santidade majestosa de Deus seja o silêncio perplexo. "Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus" (Sl 46.10). "O Senhor está em seu santo templo; cale-se diante dele toda a terra" (Hc 2.20).

    Do silêncio brota um sentimento de temor, reverência e maravilha diante da imensa grandeza de Deus. "Tema ao Senhor toda a terra, temam-no todos os habitantes do mundo" (Sl 33.8). E por sermos todos pecadores, em nossa reverência há um medo santo do poder justo de Deus. "Ao Senhor dos Exércitos, a ele santificai; seja ele o vosso temor, seja ele o vosso espanto" (Is 8.13).

     "Entrarei na tua casa e me prostrarei diante do teu santo templo, no teu temor" (Sl 5.7). Esse temor, porém, não é um terror paralisante, cheio de ressentimento contra a autoridade absoluta de Deus. Ele encontra alívio na contrição, no arrependimento e na tristeza por nossa distância de Deus. "Sacrifícios agradáveis a Deus são o espírito quebrantado; coração compungido e contrito, não o desprezarás, ó Deus" (Sl 51.17). "Assim diz o Alto, o Sublime, que habita a eternidade, o qual tem o nome de Santo: Habito no alto e santo lugar, mas habito também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos e vivificar o coração dos contritos" (Is 57.15).

     Misturado ao sentimento genuíno de contrição e tristeza pelo pecado aparece um anseio por Deus. "Como suspira a corça pelas correntes das águas, assim, por ti, ó Deus, suspira a minha alma. A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo" (Sl 42.1, 2). "Quem mais tenho eu no céu? Não há outro em quem eu me compraza na terra. Ainda que a minha carne e o meu coração desfaleçam, Deus é a fortaleza do meu coração e a minha herança para sempre" (Sl 73. 25,26). "Ó Deus, tu és o meu Deus forte; eu te busco ansiosamente; a minha alma tem sede de ti; meu corpo te almeja, como terra árida, exausta, sem água" (Sl 63.1).

     Deus não fica indiferente ao anseio contrito da alma. Ele vem, retira a carga do pecado e enche nosso coração de alegria e gratidão. "Converteste-o meu pranto em folguedos; tiraste o meu pano de saco e me cingiste de alegria, para que o meu espírito te cante louvores e não se cale. Senhor, Deus meu, graças te darei para sempre" (Sl 30.11, 12).

    Nossa alegria, porém, não é resultado apenas da gratidão gerada pelo olhar em retrospectiva. Ela também vem do olhar esperançoso prospectivo: "Por que estás abatida, ó minha alma? Por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, a ele, meu auxílio e Deus meu" (Sl 42.5). "Aguardo o Senhor, a minha alma o aguarda; eu espero na sua palavra" (Sl 130.5).

     No fim das contas, o coração não anseia por qualquer das dádivas de Deus, mas pelo próprio Deus. Vê-lo, conhecê-lo e estar em sua presença e o maior banquete da alma. Depois disso ela não quer mais nada. As palavras passam a ser insuficientes. Nós falamos de prazer, alegria, delícia, mas esses são apenas frágeis indicadores da experiência indizível.

      "Uma coisa peço ao Senhor, e a buscarei: que eu possa morar na Casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a beleza do Senhor e meditar no seu templo" (Sl 27.4). "Na tua presença há plenitude de alegria, na tua destra, delícias perpetuamente" (Sl 16.11). "Agrada-te do Senhor" (Sl 37.4).

     Esses são alguns dos afetos do coração que podem evitar que a adoração seja "em vão". Adorar é uma maneira alegre de refletir de volta para Deus o brilho do seu valor. Não é um mero ato de vontade, pelo qual executamos ações externas. Sem a participação do coração, não adoramos de verdade. O envolvimento do coração na adoração é o despertamento de sentimentos, emoções e afetos do coração.

     Onde os sentimentos por Deus estão mortos, a adoração está morta. A adoração genuína precisa incluir sentimentos interiores que refletem o valor da glória de Deus. Se não fosse assim, a palavra hipócrita não teria sentido. Mas a hipocrisia existe — ter emoções exteriores (como cantar, orar, dar, recitar) que significam afetos do coração que não existem. "Este povo me honra com os seus lábios, mas o seu coração está longe de mim."
Fonte : Cristão Hedonista 

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Morte...

MORTE
"(…) descobriram-se-te as portas da morte, ou viste as portas da sombra da morte"? (Jó 38:17)

Morte. Não sei se é um tema muito agradável para se abordar em um devocional, mas uma coisa eu sei: é importante! Por isso vamos falar um pouco hoje sobre a morte. Todo ser humano, tanto cristão quanto incrédulo está sujeito à morte. A morte é resultado do pecado, fruto da desobediência de Adão e Eva, de forma que ela penetrou o homem em sua constituição física e eterna.

Hoje, porém, quero discorrer acerca da morte física, o fim da nossa participação nessa esfera terrena. Creio ser um fator que a maioria de nós – inclusive você que está lendo – não reflete muito. Apesar de presenciarmos através dos meios de comunicação as centenas de mortes diárias no mundo e até saber que é uma das coisas mais comuns nos dias de hoje… sim, as pessoas morrerem! Elas morrem em todos os lugares e de todas as formas: doenças, acidentes, crimes, tragédias e imprevistos. Isso tudo ocasiona a morte.

Como já disse, isso já faz parte do nosso cotidiano mas, sinceramente, por mais que nós saibamos dessa realidade, nós não a esperamos, nós não pensamos que vamos morrer, não achamos que vai acontecer conosco,  pelo menos não agora. Por isso nós a ignoramos, achamos que ela vai acontecer à longo prazo, o que não é verdade! Vivemos em corpos mortais e isso pode ocorrer conosco a qualquer momento: ninguém sabe a hora da sua morte. Na maioria dos casos ela vem de modo repentino e você pode ser a próxima pessoa a deixar o mundo. Sim, é isso que estou dizendo: "você pode ser a próxima pessoa a morrer".

E qual a razão de estar discorrendo sobre esse assunto? Porque Jesus nos manda vigiar, ficarmos alerta, devemos estar preparados para esse dia, quando ele chegar. Consciente disso a sua rotina vai mudar, seus valores e conceitos deveram ser revistos, por exemplo: se você soubesse que iria morrer daqui um ano, se um médico te desse esse diagnostico e essa sentença, ou o próprio Deus te revelasse e você tivesse certeza absoluta que iria morrer em um ano… Você já imaginou como seria sua vida? Você viveria com uma transformação total!

Primeiro: Se soubesse que iria morrer em um ano, consertaria toda a sua vida civil e social, pagaria todas as suas dívidas, limparia seu nome, não deixaria prejuízo algum para a família, correria atrás de papéis, processos e negócios mal resolvidos, pendências e uma série de compromissos não saldados e trabalharia para deixar uma boa imagem diante da sociedade.

Segundo: Sua vida afetiva. Se soubesse que iria morrer em um ano quanta gente você não iria correndo procurar para se reconciliar? Quantas pessoas estão magoadas com você, ressentidas, quanta intriga envolvida com seu nome, barreiras, coração fechado com inúmeras pessoas? Se soubéssemos que iríamos morrer em um ano, "voaríamos" atrás dessas pessoas para pedir perdão, perdoá-las, abraçá-las, sorrir, chorar com elas… Já imaginou com seus filhos? Em um ano quantas vezes você diria "eu te amo"? Quantas vezes você estaria ao seu lado ou os ajudaria nas tarefas da escola? Viveria o dia-a-dia com eles, já imaginou em um ano o quanto da Bíblia você ensinaria a eles? O quanto iria orar com eles?

O mesmo digo dos filhos para com os pais: iriam se lembrar mais deles, iriam estar mais presentes, com certeza iriam honrar o pai e a mãe os 365 dias do ano. Também falo aos casados: se soubessem que só teriam um ano de vida juntos, fariam tudo que não fizeram em todos esses anos uma ao outro: o serviria com o máximo de responsabilidade e amor, mesmo em meio à dificuldades e crises faria o máximo para ser a melhor esposa ou o melhor esposo. Não haveria nada de grosseria, indiferença, rixas ou deboches, seria uma lua-de-mel que duraria 365 dias. Em suma, você lutaria para seu lar ser perfeito em todo esse ano!

Terceiro: E quanto ao mundo ao nosso redor? Se soubéssemos que teríamos só um ano de vida, e que depois de um ano iríamos morrer, quanta coisa não faríamos ao próximo, quantos pobres não ajudaríamos, afinal de contas fazer o que com o dinheiro? E as posses, sabendo que em um ano não usaria mais nada? Faríamos doações a asilos, creches, instituições de caridade, presentearíamos pessoas com roupas, agasalhos… Creio que até faríamos festas para crianças pobres que nunca tiveram uma única celebração de aniversário. Quanta gente à nossa volta necessitando de ajuda, precisando de um abraço, de uma palavra amiga, de um consolo, de um apoio moral! Acho que faríamos como Paulo: "nos gastaríamos e nos deixaríamos gastar por essas pessoas".

Afinal de contas seria uma corrida contra o tempo, só teríamos um ano, e em um ano a morte nos levaria. Veja que aflição! Amar as pessoas, fazer o bem, servir a Deus, não pecar, faríamos de tudo para sermos os melhores seres humanos no mundo e os melhores cristãos que já existiram. E por quê? Por causa da consciência cristã dentro de nós, que nos mostra a grande responsabilidade que temos e muitas vezes negligenciamos!

Quarto: Sabendo que só teríamos um ano de vida, iríamos viver em total dedicação a Deus, leríamos a Bíblia durante 365 dias – talvez mais de uma vez por dia. Nesses mesmos 365 dias você iria orar muito mais que já o fez em toda a sua vida, deixaria todas as práticas pecaminosas, se esforçaria o máximo na luta contra seu velho homem e para sua santificação, enfim, seria o maior ano da sua vida em devoção a Deus e crescimento espiritual.

E quanto ao evangelismo? Duvido que você em um ano deixaria de pregar para qualquer ser humano que passasse ao seu lado! Imagine na sala de aula, o "fuzuê" que você iria aprontar, com professores e alunos, no trabalho e em suas repartições, na sua vizinhança, seguramente você cairia de joelhos e imploraria pelas almas delas! Familiares? Todos. E-mails, fax, telefonemas, iríamos atrás dos avós, tios, primos, não deixaríamos nenhum sequer ficar sem ouvir o Evangelho e, possivelmente, com a consistência e empenho que nos aplicaríamos em um ano, muitos deles se converteriam! Talvez em um ano o número dos evangelizados por nossa parte e até das almas ganhas excederia todo o resto da nossa vida anterior!

O que estou querendo ensinar com isso? Eu não sei o dia da sua morte, não sei quando ela virá, esse dia ninguém sabe, só Deus na Sua onisciência. Provavelmente você não espera que vai morrer em um ano, não há nenhuma sentença sobre você, talvez nenhum médico te fez esse diagnóstico… Você está tão preocupado e atarefado com as coisas dessa vida que nem sonha ou espera a morte, mas quero te dizer que independente disso esse dia vai chegar, você vai morrer!

E é possível que não demore nem um ano, pode ser a qualquer momento, inclusive hoje! Isso é uma certeza e creio que você concorde com essa possibilidade. Já que "agora" você concorda e entende que pode ser a qualquer momento, por que então não viver conforme o que foi mencionado acima?

Querido(a), vamos deixar essa terra em breve e somente o que tivermos feito de bom será contado. Apenas aquilo que for feito para Cristo e em prol de Cristo será relevado. A Bíblia diz que a nossa vida é como a erva: "Quanto ao homem, os seus dias são como a erva; como a flor do campo, assim ele floresce. Pois, passando por ela o vento, logo se vai, e o seu lugar não a conhece mais" (Sl 103.15-16). Nossa existência é tão breve, tão passageira, temos tão pouco tempo! Vamos fazer o máximo que for possível, como se tivéssemos apenas um ano de vida, fazendo o melhor para Cristo e para o próximo.

Vá, pois não temos muito tempo, somente uma vida!

Paulo Junior

domingo, 14 de agosto de 2011

Pecado Sexual.

http://www.estaentrenos.com/2011/08/pecado-sexual.html

Um mal do presente século que tem levado milhares de pessoas ao abandono de seus sonhos é a culpa carregada dentro de si trazida por pecados sexuais do presente de do passado. Mesmo no meio evangélico as questões sexuais são um desafio tanto para solteiros
quanto para os casais (leia mais).

A pornografia, a prostituição e outras formas de sexo ilícito têm sido um mal, contudo, elas não são a raiz do problema.

Neste vídeo, o pastor batista John Piper explica qual é a verdadeira razão que leva uma pessoa a buscar a satisfação de seus desejos sexuais nas práticas imorais e mostra uma luz no fim do túnel para os enlutados que desejam vencer Satanás e suas propostas.

Assista ao vídeo:
John Piper - Pecado Sexual from Marcelo on Vimeo.


John Stephen Piper (11/01/1946, Tennessee, EUA) é pastor, conferencista e escritor americano Batista Reformado, que atualmente serve como pastor sênior na Igreja Batista Bethlehem em Minneapolis, Minnesota. É muito conhecido por causa de seu livro "Desiring God", e por seu site de divulgação desiringgod.org.br.

Vida após a morte.

De: Ricardo Ferreira

Vida após a morte

Você já parou para pensar na sua existência, na sua vida, no por que você existe, qual a finalidade da sua existência, por que você está no mundo, por que você foi o escolhido, você acredita em Deus ?

Saiba que você não nasceu para simplesmente viver nos prazeres da carne, satisfazer a sua vontade, realizar os seus desejos, viver uma vida da maneira que você acha que deve viver, se você vive assim, tome muito cuidado, existe uma finalidade para a sua existência, e vamos saber quais são:

"Porquanto a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens, educando-nos para que, renegadas a impiedade e as paixões mundanas, vivamos, no presente século, sensata, justa e piedosamente."  Tito 2:11,12.

Nós vivemos no mundo, estamos no mundo, mais não somos do mundo, a graça de Deus nos ensina segundo a sua palavra, somos ensinados e orientados por Deus a renegar as paixões do mundo, ele ensina assim por que quer que nós vivamos de acordo com a vontade dele, e não a nossa vontade, que é voltada ao mundo.

Este mundo é passageiro, é muito curto o tempo em que temos aqui, para juntar nossos tesouros no céu e buscarmos nossa salvação, não temos tempo a perder, o tempo que temos aqui, não se compara, não é nem do tamanho do buraco de uma agulha, comparada com a eternidade, em que viveremos após aqui, quem vive pensando aqui nesse mundo, e conquistar tesouros nesse mundo, e não se preocupa com a eternidade, não sabe que aqui passa, morremos, e passaremos por um juízo, no qual seremos julgados por nossas obras, ou até sabem, mais não se preocupam, agora eu te pergunto, no dia do juízo, o que você vai apresentar para Deus diante de seu trono ? Por que ele vai fazer você vomitar tudo o que você fez aqui nesse mundo, e nada está oculto diante dos seus olhos, você ainda quer perder tempo ?

Matheus 25: 31-46

31 E quando o Filho do homem vier em sua glória, e todos os santos anjos com ele, então se assentará no trono da sua glória;

32 E todas as nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas;

33 E porá as ovelhas à sua direita, mas os bodes à esquerda.

34 Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo;

35 Porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me;

36 Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e fostes ver-me.

37 Então os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber?

38 E quando te vimos estrangeiro, e te hospedamos? ou nu, e te vestimos?

39 E quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos ver-te?

40 E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes.

41 Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos;

42 Porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber;

43 Sendo estrangeiro, não me recolhestes; estando nu, não me vestistes; e enfermo, e na prisão, não me visitastes.

44 Então eles também lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou estrangeiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão, e não te servimos?

45 Então lhes responderá, dizendo: Em verdade vos digo que, quando a um destes pequeninos o não fizestes, não o fizestes a mim.

46 E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna.

Não seja mais um que vive nas vontades carnais, que não se preocupa com o que há de vir, estejais prontos para o dia do julgamento, onde você terá argumentos para com o criador, e entrará na felicidade eterna, e os que viveram nas vontades carnais, na idolatria, no pecado, terá seu lugar reservado no inferno, onde nunca haverá luz, só sofrimento, dor, pranto, tristeza, agonia, depende de você, qual o futuro que você quer para ti ? Não é fácil servir a Deus, muda tudo, mais vale a pena, por que o tempo em que estamos aqui, não se compara com o tempo que viveremos após aqui, e não fique deixando de se preocupar com o pós morte, se preocupe sim, por que é uma coisa muito séria.


O Cotidiano Cristao - Louvor: Como Implodir a Doutrina.

O Cotidiano Cristao


Louvor: Como Implodir a Doutrina


Louvor: Como Implodir a Doutrina -
por Jorge Fernandes Isah

A afirmação de que o louvor pode ser qualquer coisa, de qualquer forma, e de que Deus nos aceita como somos, remete-nos à seguinte questão: O Senhor aceita o pecador inconvertido e sem arrependimento que mantém-se em rebeldia, rejeitando a Cristo como único e suficiente Salvador? Ou será necessário que, primeiro, esse pecador seja regenerado por Cristo e transformado pelo Espírito Santo para arrepender-se e receber o perdão divino, e então ser aceito? Da mesma forma, qualquer coisa que se faça em nome da Igreja e na Igreja somente será reconhecida por Deus se obedecer aos preceitos definidos na Escritura, os principios estabelecidos pelo próprio Deus.

É possível uma adoração santa quando se apela para ritmos sensuais, com o único objetivo de entreter e saciar a carne? É possível que se execute igualmente danças muito parecidas com a "dança-do-ventre" nos cultos, e crer que se está agradando a Deus? É possível agradá-lO com um discurso humanista, que exalta o homem, em detrimento da pregação expositiva bíblica que exalta a Deus? É possível uma diversidade de técnicas mundanas subir ao púlpito (o pragmatismo, o servilismo ao pecado, a acomodação aos padrões do mundo), e agradar a Deus? É possível agradá-lO sem ser bíblico? Baseado apenas nas sensações e tentativas humanas? O homem natural certamente não verá problemas, e responderá acertivamente. Contudo, o homem espiritual, aquele que tem a mente de Cristo e foi regenerado, dirá não. Porque o princípio da verdadeira adoração não são os efeitos pirotécnicos, nem a multidão de gestos, nem o grito tronitruante, nem o suor, nem calafrios, nem comoção pública, nem o cair ou cacarejar, ou qualquer outro fenômeno bizarro. O preceito da verdadeira adoração é a obediência a Deus e a Sua palavra, as Escrituras Sagradas.

As igrejas começam sempre abrindo uma exceção em suas práticas, as quais consideram sem importância. E, normalmente, começa-se pela liberalidade na música, no louvor. Acontece que os bodes precisam de diversão constante, e estão ali para distrair e, num golpe final, destruir o rebanho (como objetivo, porém não alcansável, visto que as ovelhas de Cristo são salvas e jamais destruídas pelo inimigo). E como isso se dá? Primeiro, corrompe-se o louvor, onde a santidade dá lugar a toda prática profana, com a apropriação dos sentimentos e valores do mundo para depois, progressivamente, implodirem a doutrina e a validade escriturística.

É esse o caminho que os ímpios impõem à igreja enquanto irmãos sinceros, mas iludidos com as falsas promessas de resultados (e a ignorância escriturística é fundamental para se manter crentes em estado de coalizão com as forças malignas; os quais veem erroneamente os valores humanos como sendo de Deus), permitem-se cair na blasfêmia, no mundanismo, na rebelião e no desprezo ao Senhor.

A igreja que acredita louvar a Deus na carne (repito: com ritmos sensuais, contagiantes, eletrizantes, danças profanas, e técnicas do show business) está assentada no lamaçal do pecado, e receberá a disciplina ou a ira divina. Porque a verdadeira adoração não é uma isca para fisgar espectadores através da musicalidade profana, da pregação artificiosa e antibíblicas; a verdadeira adoração é a submissão do crente a Deus, sujeitando-se à Sua vontade, e porque não, trabalhar para manter os bodes e ímpios fora da igreja ao invés de chamá-los para um acordo de paz, onde os bodes não cumprirão a parte assumida, mas dissimuladamente buscarão dispersar as ovelhas, se possível fosse, destruí-las.

Infelizmente a maioria dos adoradores modernos enquadram-se na sentença de Paulo: "Segundo a tua dureza e teu coração impenitente, entesouras ira para ti no dia da ira e da manifestação do juízo de Deus" (Rm 2.5).

Por Que o Mundo Socialista Deseja Exterminar Israel?

12 de agosto de 2011

 
Para qualquer pessoa com uma mente sadia, é difícil entender o ódio cáustico que os países socialistas têm com relação a Israel. Em 1948, finalmente, os judeus, que não tinham uma pátria por mais de 1.800 anos, obtiveram votação favorável para se tornarem uma nação. A votação foi realizada pelas Nações Unidas, dominadas pelos socialistas, com a vantagem de um voto. Graças ao presidente Truman, ou, na verdade, à sua mãe, que era batista, e que insistira com ele para que, se algum dia ele se tornasse presidente, ajudasse Israel de todas as formas possíveis. Foi a campanha que ele realizou na ONU (contra o conselho de seus assessores militares e políticos), e com a ajuda de Deus, que fez o grupo anti-Deus, anticristão e anti-Israel assistir à vitória escapar entre os dedos. Esse foi um dos maiores e mais vívidos sinais de que estamos rapidamente nos aproximando dos "tempos finais", antes que nosso Senhor retorne para arrebatar Sua Igreja.

A ONU jamais foi favorável a Deus ou a Israel. Pelo contrário, seus líderes sempre criticaram e desprezaram aquele pequenino país (do tamanho aproximado do estado de Sergipe), até mesmo por se defender contra a perseguição dos árabes, inclusive em cinco guerras fracassadas – todas elas vencidas por Israel, contrariamente a todas as previsões. A ONU abraçou a causa dos palestinos, que não têm nenhum direito sobre a terra. Na verdade, a Palestina nunca havia sido reconhecida como nação até os anos de 1930, depois que os britânicos selaram o destino deles, negando-se a cumprir a Declaração Balfour, apresentada durante a Primeira Guerra Mundial, enquanto que os judeus haviam ocupado a terra por mais de três mil anos.

Nenhuma nação na história mundial manteve sua identidade após ficar desterrada de sua pátria durante 300 anos ou mais – exceto Israel. Os judeus ficaram sem terra durante 1.800 anos; contudo, agora estão migrando para sua pátria vindos de todas as partes do planeta. Por quê? Porque Deus disse a Seu profeta Ezequiel que traria Seu povo de volta para a terra que havia dado originalmente a Seu fiel servo Abraão:

"Ora, disse o Senhor a Abraão: Sai da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai e vai para a terra que te mostrarei; de ti farei uma grande nação, e te abençoarei e te engrandecerei o nome. Sê tu uma bênção! Abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; em ti serão benditas todas as famílias da terra" (Gn 12.1-3).

A profecia de Ezequiel, expressa 2.500 anos atrás, está registrada em Ezequiel 37.1-13:

"Veio sobre mim a mão do Senhor; ele me levou pelo Espírito do Senhor e me deixou no meio de um vale que estava cheio de ossos, e me fez andar ao redor deles; eram mui numerosos na superfície do vale e estavam sequíssimos. Então, me perguntou: Filho do homem, acaso, poderão reviver estes ossos? Respondi: Senhor Deus, tu o sabes. Disse-me ele: Profetiza a estes ossos e dize-lhes: Ossos secos, ouvi a palavra do Senhor. Assim diz o Senhor Deus a estes ossos: Eis que farei entrar o espírito em vós, e vivereis. Porei tendões sobre vós, farei crescer carne sobre vós, sobre vós estenderei pele e porei em vós o espírito, e vivereis. E sabereis que eu sou o Senhor. Então, profetizei segundo me fora ordenado; enquanto eu profetizava, houve um ruído, um barulho de ossos que batiam contra ossos e se ajuntavam, cada osso ao seu osso. Olhei, e eis que havia tendões sobre eles, e cresceram as carnes, e se estendeu a pele sobre eles; mas não havia neles o espírito. Então, ele me disse: Profetiza ao espírito, profetiza, ó filho do homem, e dize-lhe: Assim diz o Senhor Deus: Vem dos quatro ventos, ó espírito, e assopra sobre estes mortos, para que vivam. Profetizei como ele me ordenara, e o espírito entrou neles, e viveram e se puseram em pé, um exército sobremodo numeroso. Então, me disse: Filho do homem, estes ossos são toda a casa de Israel. Eis que dizem: Os nossos ossos se secaram, e pereceu a nossa esperança; estamos de todo exterminados. Portanto, profetiza e dize-lhes: Assim diz o Senhor Deus: Eis que abrirei a vossa sepultura, e vos farei sair dela, ó povo meu, e vos trarei à terra de Israel. Sabereis que eu sou o Senhor, quando eu abrir a vossa sepultura e vos fizer sair dela, ó povo meu".

É uma profecia tremenda, que já foi parcialmente cumprida e que prepara o cenário para a invasão russo-islâmica (veja Ezequiel 38 e 39) que poderia muito bem acontecer em nossos dias, uma invasão na qual apenas Deus poderá e irá resgatar Israel da destruição certa. O resultado será que todo o mundo perceberá pela primeira vez que Ele é Deus! Pois, nesses dois capítulos, Ele declara essa verdade oito vezes!

Considere estes fatos tremendos
 
Seguem alguns interessantes fatos históricos que os políticos de todo o mundo deveriam observar quando tomam decisões sobre a nação de Israel, que foi trazida do passado pelo próprio Deus! Esses pontos me foram enviados por um amigo do general (da reserva) Avihu Ben-Nun, ex-comandante-em-chefe da Força Aérea de Israel:

1. Israel se tornou uma nação no ano 1312 a.C., dois mil (2000) anos antes do aparecimento do islã.

2. Durante mais de 3300 anos, Jerusalém tem sido a capital judaica. Jerusalém nunca foi a capital de alguma entidade árabe ou islâmica. Mesmo quando os jordanianos ocuparam Jerusalém, eles nunca tentaram fazer dela sua capital, e os líderes árabes nunca foram visitar a cidade.

3. Árabes e judeus refugiados: em 1948, os refugiados árabes foram aconselhados pelos líderes árabes a deixar Israel. Eles prometeram que eliminariam todos os judeus daquela terra. Sessenta e oito por cento dos árabes deixaram o lugar (muitos por medo da retaliação que viria de seus próprios irmãos, os árabes), sem jamais terem visto um soldado israelense. Os que ficaram gozaram da mesma paz, civilidade e direitos de cidadania que todos os demais.

4. Os refugiados judeus foram forçados a fugir das terras árabes devido à brutalidade, à perseguição e aos massacres que os árabes lhes impuseram.

5. O número de refugiados árabes que deixaram Israel em 1948 é estimado em cerca de 630.000. Estima-se que o número de refugiados judeus que deixaram as terras árabes foi equivalente.

6. Intencionalmente os refugiados árabes não foram absorvidos ou integrados às terras árabes para as quais fugiram, a despeito do vasto território árabe. Dos 100 milhões de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial, o deles é o único grupo de refugiados que nunca foram absorvidos ou integrados nas terras de seu próprio povo. Os refugiados judeus foram totalmente absorvidos em Israel, um país que não é maior que o estado de Sergipe.

7. Jerusalém é mencionada mais de 700 vezes no Tanach, as Escrituras Sagradas dos judeus. Jerusalém não é mencionada nenhuma vez no Corão.

8. O Conflito Árabe-Israelense: os árabes são representados por oito nações distintas, não incluindo os palestinos. Há apenas uma nação judaica.

9. A Carta da OLP (Organização Para a Libertação da Palestina) ainda conclama o povo à destruição do Estado de Israel. Israel deu aos palestinos a maior parte das terras da Margem Ocidental, autonomia sob a Autoridade Palestina (AP), e tem lhes fornecido suprimentos.

10. Sob o governo jordaniano, os sítios sagrados dos judeus foram profanados e aos judeus foi negado o acesso a lugares de adoração. Sob o governo israelense, todos os sítios muçulmanos e cristãos têm sido preservados e ficam acessíveis a pessoas de todos os credos.

11. O histórico da ONU sobre os israelenses e os árabes: das 175 resoluções do Conselho de Segurança da ONU aprovadas antes de 1990, 97 foram contrárias a Israel.

12. Das 690 resoluções da Assembléia Geral da ONU votadas antes de 1990, 429 foram contrárias a Israel.

13. A ONU ficou em silêncio enquanto 58 sinagogas em Jerusalém foram sendo sistematicamente destruídas pelos jordanianos.

14. A ONU ficou em silêncio enquanto os jordanianos sistematicamente profanavam o antigo cemitério judeu no monte das Oliveiras.

15. A ONU ficou em silêncio enquanto os jordanianos reforçaram uma política como a do apartheid para impedir os judeus de visitarem o monte do Templo e o Muro Ocidental.

Não deveríamos ficar surpresos pelo fato da ONU e seus 220 países-membros odiarem Israel. Eles odeiam o Deus de Israel e odeiam os cristãos. Alger Hiss, um comunista convicto, foi a mente principal que escreveu a Carta da ONU. Portanto, não é de surpreender que ele tenha maquinado as coisas de modo que os comunistas soviéticos e, depois, os comunistas chineses tivessem poder de veto no poderoso Conselho de Segurança, o que ajudou a minoria a dominar a maioria desde sua concepção. É por isso que a chamada "entidade mundial" tem odiado a América e sua liberdade desde o início. Lá atrás, quando foi fundado no início dos anos 1950, eu, como jovem pastor em Minneapolis, protestei abertamente contra a retirada do grandioso símbolo da fé cristã, a Cruz de Cristo, da minúscula capela da ONU, para que não ofendesse os soviéticos, que eram notadamente ateus. Entretanto, anos mais tarde, quando visitei a ONU na cidade de Nova Iorque, presenciei ali um culto wicca (bruxaria), que pode ser mais bem descrito como um culto de louvor ao Diabo. Qualquer coisa que denigra o Cristianismo ou o nosso Deus é considerado legal, mas todas as religiões pagãs são bem-vindas e, na maioria dos casos, são veneradas.

Você já percebeu que os atuais líderes do governo dos Estados Unidos tratam os ditadores, reis, presidentes e primeiros-ministros com grande respeito – exceto os cristãos e Israel? Os países dominados pelo islamismo, a Irmandade Islâmica, e suas organizações afiliadas em 80 países do mundo, referem-se aos Estados Unidos como "O grande Satã" e a Israel como "O pequeno Satã". Uma coisa que todos eles têm em comum é que odeiam Israel, os EUA e o cristianismo. Talvez isso seja responsável pelo tratamento desrespeitoso que o presidente americano, um socialista, deu ao primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, quando este visitou os EUA e a Casa Branca. Parece que a liderança americana está do lado errado.

Quando perguntado sobre a ocupação de terras árabes por Israel, Netanyahu freqüentemente responde: "Aquela é a nossa terra!" Ela foi dada aos judeus por Deus, como já vimos, e foi destinada a eles pelo governo britânico após a Primeira Guerra Mundial. Depois que esse acordo foi renegado, Israel foi reconhecido pelas Nações Unidas como um país soberano em 1948, e será dos judeus quando Jesus Cristo voltar, em breve, para estabebelcer Seu Reino por mil anos.

Enquanto os líderes americanos, os líderes mundiais e até os radicais islâmicos não reconhecerem isso, não haverá paz no Oriente Médio. (Pre-Trib Perspectives)

Tim LaHaye

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Jesus Cristo, único Senhor, mediador e salvador.


[I Tm. 2: 5] "Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem."

A Bíblia nos mostra de forma clara e objetiva que todos os homens são pecadores (Rm 3.23). Esse é o pecado "original", aquele no qual todos os homens já nascem. Esse pecado foi trazido e impetrado na vida de todos os homens em razão de nossos primeiros pais, "Adão e Eva", terem um dia desobedecido ao Senhor, quando estavam no jardim do Éden (Gn. 3 ). Por terem pecado e por todos os seres humanos serem descendentes de Adão e Eva, o pecado passou a fazer parte de toda a raça humana, por isso todos são pecadores. Observamos, portanto, que, uma vez sendo pecador, esse homem envolvido com o pecado vive na injustiça e se encontra separado de Deus. O pecado gera "morte", pois a Bíblia afirma também que o "... salário do pecado é a morte" (Rm 6.23). Todos os homens estão fadados a morrer um dia e isso é prova de que todos são pecadores. Contudo morrer no pecado leva o homem a enfrentar a chamada "morte espiritual", que é passar a eternidade no inferno, separado de Deus. Esse é o quadro terrível que tem sido vivido por muitas vidas que estão rejeitando a graça de Cristo. O texto que lemos de I Timóteo 2.5 nos mostra que, diante dessa drástica realidade, Deus tem preparado uma válvula de escape para o homem que se encontra perdido. Somente através do único Deus que se manifestou a todos os homens, através do único Mediador que é Jesus, aquele que se acha perdido em seus pecados tem a oportunidade de ser liberto. É através do sacrifício pleno de Cristo na cruz do Calvário e sua ressurreição que aqueles que estão presos ao pecado podem ter acesso à verdadeira liberdade. O caminho da vitória é aceitar o sacrifício de Cristo e, para isso, é necessário confessar a Ele como único Senhor pleno e crer que, através de sua morte e ressurreição, o homem encontra a salvação para a sua alma. Quando o pecador toma essa atitude diante de Deus, ele, na verdade, está entregando 100% de sua vida para o controle total de Cristo. A partir dessa entrega, a nova vida prometida por Jesus é ministrada a esse coração outorgando-lhe o direito de vida eterna com Deus. Esse é o caminho da vitória! Essa é a decisão que Cristo espera que todos os homens tomem, pois é dessa forma que o homem perdido se torna "justo" diante de Deus. Não importa o seu contexto de vida ou quais pecados tenha cometido. A morte de Cristo na cruz do Calvário e sua ressurreição são suficientes para proporcionar a você a cura espiritual de sua alma, que se manifesta através da Salvação concedida por Cristo Jesus. Hoje é o dia! Agora é o momento de sua vida ser transformada por Cristo. Aceite a Ele como seu salvador pessoal.
Pr. Waldyr Silva do Carmo

Edificados em Cristo

[Cl. 2: 7] "Arraigados e edificados nele, e confirmados na fé, assim como fostes ensinados, nela abundando em ação de graças."

Jesus Cristo é a Rocha inabalável na qual a Igreja está fundamentada (Mt. 16.18). E esta é formada por todos aqueles que foram lavados e remidos pelo sangue do Cordeiro que é Jesus. Logo, individualmente, estamos edificados Nele que é a nossa rocha eterna. Podemos afirmar que temos razões infindas para louvar e glorificar àquele que nos salvou, dando-nos a vida abundante (Jo 10.10), pois é Ele quem nos sustenta. É nele que vivemos e por Ele avançamos na certeza de nossa vitória. Tudo o que somos e o que temos é Dele e também é para Ele que vivemos, pois somos obra-prima da sua criação. Em tempos de angústias e lutas, Ele é o nosso socorro bem presente. Quando clamamos, fazemos isso na certeza de sermos atendidos, pois como Pai que nos ama Ele jamais deixa de nos ouvir. Isso nos faz andar altaneiramente, pois não estamos sozinhos, temos a Sua presença constante em nossas vidas. Viver nessas verdades é andar sempre na certeza da plena vitória, é ter a convicção plena de que, por mais que as tempestades venham e o mar da vida esteja revolto, na hora e momento certo o nosso Soberano, que nos livrou da morte eterna, sempre irá declarar a última palavra às nossas vidas. Ele dirá: "vento aquieta-te, mar acalma-te" e bonança será ministrada de forma sobrenatural. O texto em foco nos mostra a realidade do que somos em Cristo. Nele somos mais do que vencedores. Nele a nossa história é de sucesso! E acima de tudo, pautada sempre na viva esperança de um dia morarmos nos céus. Ele é o nosso melhor! Ele tem o melhor para nós.
Pr. Waldyr Silva do Carmo


A missão que Deus tem pra mim.



[I Tm. 4: 10] "Porque para isto trabalhamos e lutamos, pois esperamos no Deus vivo, que é o Salvador de todos os homens, principalmente dos fiéis."

A motivação do apóstolo Paulo em todo o seu ministério esteve voltada para o cumprimento da vontade de Deus em sua vida. Ele sabia que era querer pleno de Deu usá-lo como instrumento para fazer o nome de Cristo conhecido aos perdidos. Havia em seu coração a convicção de que cumprir  esse ministério, era responsabilidade não somente dele, mas de todos os que professavam o nome de Cristo e faziam parte da Igreja de Deus na terra. De forma marcante e impactante, os cristãos da Igreja primitiva cumpriram com essa tarefa. E essa foi a motivação principal daqueles levavam a bandeira do Evangelho, pois eles sabiam que a base de sua fé era, em Cristo, anunciar a Salvação aos perdidos e viver na viva esperança da volta do Senhor Jesus. Eles foram perseguidos, martirizados, mas, com grande nobreza, cumpriram o ministério de Deus que lhes foi confiado. Olhando para esse grande legado deixado a nós pelos irmãos do passado, fico a pensar no que temos feito para a expansão do Evangelho de Cristo. Isso também nos faz pensar nas motivações que estão movendo os nossos corações, pois são elas que determinam o curso de nossas vidas. O que temos feito em prol da obra do Senhor? Temos de fato trabalhado e lutado para fazer Cristo conhecido até os confins da terra? Podemos afirmar que estamos esperando de fato a volta do Senhor Jesus? Penso que, como Igreja de Cristo, precisamos repensar os nossos valores. Precisamos aferir o que temos feito através do caráter de Cristo. Só assim poderemos nortear nossas vidas e de forma honrosa cumprir com a verdadeira missão que Deus confiou a todos os que foram alcançados pela graça do Senhor Jesus. Em nome de Jesus, que o lema de nossas vidas seja o mesmo que foi vivido por Paulo! Que Deus possa ver em nós, vidas que de fato fazem a diferença através da anunciação do nome do Senhor Jesus.
Pr. Waldyr Silva do Carmo

O grande e eterno Deus.

[I Tm. 1: 17] "Ora, ao Rei dos séculos, imortal, invisível, ao único Deus sábio, seja honra e glória para todo o sempre. Amém."

Falar sobre Deus é ser confrontado com o inatingível a olhos humanos. É ter a certeza de que a mente do homem jamais compreenderá a grandeza e soberania Daquele que é o criador de todas as coisas. Ele é o Deus que jamais quis provar sua existência, pois tudo o que existe já é a prova viva e irrefutável de que Ele existe. Ele não tem começo e nem fim, pois sempre existiu e sempre existirá. Ele é eterno! Ele é o único Deus sábio que em sua grandeza e poder do nada fez tudo o há no universo. Como então não se render Àquele que controla e governa todas as coisas? É Ele quem conduz a história revelando a todos os homens o seu grandioso plano de Salvação. Vê-se de forma clara que através de seu poder e grandeza desde que o pecado entrou na humanidade, Ele tem se revelado através de sua Palavra, fazendo cumprir seu plano de resgate ao homem que se perdeu em razão do pecado. Ele não quer que nenhuma alma se perca, mas que todas conheçam a Verdade. A Verdade é Jesus, a maior prova de amor que Deus concedeu aos perdidos. Através da encarnação, morte e ressurreição de Cristo a dívida do pecado de todos os homens foi quitada, proporcionando assim a oportunidade real e concreta de salvação aos que aceitam a cobertura do seu sacrifício. Vemos nesse contexto o Soberano, o majestoso amando e se doando em resgate do fraco, do impotente e perdido pecador. É desejo do grande e eterno Deus que nenhuma alma se perca, mas que todas venham ao conhecimento da verdade. (I Tm 2.4) Através do sangue de Cristo a graça de Cristo foi manifestada a todos os homens. Ela está acessível a você nesse momento! Você pode agora ter a certeza de morada nos céus! Nesse momento você pode receber a vida abundante prometida pelo Senhor Jesus. (Jo. 10.10) O que Deus espera é que você o confesse como único Senhor e Salvador de sua vida e creia que Ele ressuscitou a Jesus dentre os mortos. Quando o pecador toma essa decisão e se rende a Cristo, o sangue de Cristo o lava de todos os pecados. O milagre da maravilhosa graça de Deus é manifestado nesse coração tornando-o justo (justificado) para receber a plena salvação da alma. Em nome de Jesus não deixe para depois, receba agora Jesus em seu coração e faça parte desse maravilhoso projeto que foi criado e impetrado pelo soberano Deus e que tem por propósito a salvação daqueles que estão perdidos. Que Deus o abençoe rica e abundantemente.
Pr. Waldyr Silva do Carmo


Bendito o homem que confia no Senhor, e cuja confiança é o Senhor…

Elias Costa Filho Costa

UM CANAL DE IRRIGAÇÃO
"Bendito o homem que confia no Senhor, e cuja confiança é o Senhor…
Porque será como a árvore plantada junto às águas, que estende as suas raízes para o ribeiro, e não receia quando vem o calor, mas a sua folha fica verde; e no ano de sequidão não se afadiga, nem deixa de dar fruto"
Jeremias 17:7-8
 
 
Para irrigar seus campos e plantações, agricultores de certa região da Suíça adaptaram largas tubulações que captam água de uma fonte ou geleira e a mandam para o vale. A manutenção dos canais tem de ser cuidadosa; cada proprietário é responsável por conservar em bom estado o segmento que atravessa seu campo, pois a água é preciosa e deve ser repartida com critério. Se os canais entopem, ficam sujos ou se rompem, as árvores secam, as plantações se perdem e as colheitas ficam comprometidas.
 
Jesus disse à mulher no poço de Sicar: "Se tu conheceras o dom de Deus… ele te daria água viva" (João 4:10). A primeira pergunta que tenho de fazer é: Conheço a fonte de água viva? A fonte é o próprio Jesus, o Filho de Deus.
 
A segunda é: Tenho sede? O Senhor responde a isso em João 7:37-38: "Se alguém tem sede, venha a mim, e beba. Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre".
 
A terceira pergunta é: Qual é o preço a pagar? "E quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida" (Apocalipse 22:17). O Senhor Jesus pagou tudo oferecendo Sua vida em resgate por aqueles que se aproximam dEle. Se estou conectado à fonte, tal qual uma tubulação, minha vida e meu comportamento serão limpos de maneira que, através de mim, a água da vida de Deus possa correr abundantemente para os demais.
 
Extraído do devocionário Boa Semente 2011

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Este Mundo Jaz no Maligno (Maçonaria).

Este Mundo Jaz no Maligno (Maçonaria)

Link to Este Mundo Jaz no Maligno


   A igreja Maçônica é uma sociedade secreta de fins filantrópicos e humanitários, com uma filosofia religiosa semelhante ao deísmo inglês do começo do século 18.
   Atualmente, ela já se dividiu de tal forma que não existe um padrão maçom que possa ser aplicado a todas suas divisões.
   A definição de Maçonaria depende exclusivamente do país no qual é praticada, no entanto, trata-se de uma religião prática e contrária à vontade revelada por Deus ao longo dos séculos.
   Rituais, consagrações, iniciação, simbolismo e propósito: todos esses elementos do culto maçônico não combinam em nenhum aspecto com o que reconhecemos na Bíblia por adoração e culto racional ao Senhor (Romanos 12:1-3).
   Analisando esta seita à luz das Sagradas Escrituras, chega-se à conclusão que é anticristã, deísta e racionalista, se enquadrando perfeitamente no rol das seitas e religiões falsas.

   Os maçônicos acreditam em Deus e na imortalidade da alma, chamam a Deus de "O Grande Arquiteto do Universo" (GADU) e o culto a Ele consiste principalmente nas boas obras, através das quais se aguarda a salvação.
   Entretanto, a Bíblia é bem clara ao revelar que prática ocultista como, por exemplo, cerimônias envolvendo mortos, o esoterismo e a crença em reencarnação, são abomináveis a Deus: no Antigo Testamento, Deus repreendeu severamente os judeus pelo envolvimento nessas práticas.
   A Maçonaria, segundo o Dicionário da Maçonaria de Joaquim Gervásio de Figueiredo, foi fundada em 24 de Junho de 1717, em Londres: sua origem está ligada à lendas de Isis e Osíris, Egito; ao culto de a Mitra, vindo até a Ordem dos Templários e a Fraternidade Rosa Cruz.
   Em 1717, foi fundada a Grande Loja de Londres pela reverendo anglicano James Anderson que, em 1723, publicou as Constituições da Maçonaria. Até hoje estes documentos são aceitos como base de todas as lojas maçônicas.
   A INFLUÊNCIA DOS CULTOS MAÇÔNICOS
   Os maçons desempenharam um papel importante na Revolução francesa (Queda da Bastilha).
   Em 2007, operavam no Estados Unidos aproximadamente 15.300 lojas (loja é o nome dado ao local reservado aos rituais maçônicos) e, em todo o mundo, mais de 33.700. Quatorze presidentes americanos foram maçons, destacando-se George Washington, Harry Truman e Gerald Ford, entre outros.
   Atualmente são cerca de seis milhões de maçons em todo o mundo, em mais de 164 países, sendo 150 mil no Brasil.
   No Brasil marcaram presença na Inconfidência Mineira: na casa Silva Alvarenga, o conhecido Tiradentes foi iniciado na maçonaria. A bandeira da Inconfidência tinha o dístico "libertas quae sera tamem" e o triângulo maçônico. Gonçalves Ledo e José Bonifácio com outros maçons tramaram a Inconfidência do Brasil.
   Marechal Deodoro da Fonseca ocupava o cargo de Grão–Mestre da Maçonaria no Brasil quando proclamou a República.
   A MAÇONARIA É UMA RELIGIÃO?
   Mesmo com a oposição da igreja, maçons têm adeptos de todas as religiões, pois aceitam pessoas de diversos credos.
   A princípio os maçons negam que a maçonaria seja uma religião, mas a Enciclopédia Revisada da franco-maçonaria de Albert G. Mackey diz: "a Maçonaria pode ser corretamente chamada de instituição religiosa…".
   A tendência de toda verdadeira maçonaria é à religião.
   Quando são feitas as reuniões maçônicas, a loja onde se reúnem passa a ser chamada oficina. Isso para manter o simbolismo do ideal maçom, que é a construção de uma sociedade onde haja fraternidade, igualdade e liberdade: como maçons (pedreiros, lavradores de pedras) acreditam que serão os arquitetos e construtores desse grande projeto.
   Nas oficinas, as reuniões são marcadas por orações na abertura e no encerramento.
   Na maçonaria, o tratamento entre os seus adeptos é o de "irmão".
   Além disso, os maçons honram a Bíblia como Palavra de Deus, recomendando aos "irmãos" que estudem regularmente.
   A maçonaria ensina que a luz da Bíblia, a luz do esquadro e a luz do compasso são 3 grandes luzes. Para os Maçônicos o compasso simboliza o espírito e o esquadro a matéria.
   Eles creem na Bíblia apenas como símbolo da vontade de ensinamento divino. Isto contraria a própria Bíblia (2 Timóteo 3:16-17; 2 Pedro 1:20-21).
   De acordo com o ex-mestre maçom (hoje pastor evangélico) Antônio Jean, a formação dos maçons é baseada em:
   "Este edificará uma casa ao meu nome, e confirmarei o trono do seu reino para sempre." (2 Samuel 7:13)
   Por sua vez, a maçonaria também contradiz a palavra de Deus quando relata sobre os deuses de outras religiões e orienta seus adeptos a não interferir nas crenças diversas, mudando, logo depois, o Deus de cada religião numa forma única: GADU.
   É certo que a Bíblia diz que não há outro Deus, se não o Senhor:
   "Lembrai-vos das coisas passadas desde a antiguidade; que eu sou Deus, e não há outro Deus, não há outro semelhante a mim." (Isaías 46:9)
   O nome de Jesus é superior a todo e qualquer nome (Filipenses 2:5-11) e a salvação está nesse nome (Romanos 10:9).
   Os maçônicos acreditam em Deus e na imortalidade da alma.
   Chamam o Senhor Deus de "O Grande Arquiteto do Universo" e o culto a Ele consiste, principalmente, nas boas obras, através das quais se aguarda a Salvação.
   SEGREDOS MAÇÔNICOS
   Existe muita lenda e superstição em torno da Maçonaria e os maçons não se preocupam em desmentí-los, pois lhes agrada imensamente serem vistos como pessoas misteriosas.
   Os segredos maçônicos constam de símbolos, alegorias, ritos, cerimônias, sinais de identificação, dogmas religiosos que já foram, ocasionalmente, revelados.
   A seita é organizadas em "ritos", sendo estes divididos em "graus": o rito escocês tem 33 graus, equivalentes aos 10 graus do rito de York. Cada grau procura ensinar uma moral. Os graus 1 e 3 são os mesmo acima mencionados.
   O pastor Antônio Jean declara (em um manuscrito ainda não publicado) que o Ritual de Iniciação é feito, em grande parte, com os olhos vendados.
   O ritual de sua iniciação começou com a entrada em um quarto úmido (uma espécie de porão) e foi conduzido pelo "irmão mestre de cerimônias", auxiliado pelo "irmão experto" (essas são funções da maçonaria).
   Ao tirar as vendas de seus olhos pôde ler na Câmara de Reflexão:
   "Se a curiosidade te traz aqui, volta; se temeres ser descoberto sobre teus desejos, sentir-te-ás mal entre nós; se fores capaz de dissimular, tremei ! Porque penetrar-te-emos e leremos o fundo de teu coração. Se tens apego às distinções humanas, sai, porque não se conhece isso aqui. Se tua alma sentir medo, não vá mais longe; se perseverares serás purificado pelos elementos, sairás do abismo das trevas e verás luz."
   Isso tudo é completamente contrário ao que diz a Bíblia acerca do Senhor Jesus, que já nos tirou das trevas (Colossenses 1:13).
   Segundo o relato, nesta Câmara de Reflexão pode-se encontrar esqueletos e cabeças de bodes entre outras peças que visam amedrontar o iniciado.
   De acordo com Jean, esta parte da cerimônia é a primeira prova. A segunda é a "do ar", onde há uma sonoplastia de tempestade. A terceira, "da água", em que lavam as mãos do iniciado e a quarta e última, "do fogo", onde colocam uma vela acesa embaixo da mão.
   Numa das etapas da iniciação mostram um corpo dentro de um caixão e vários maçons encapuzados com espadas apontadas para o corpo. O iniciado ouve que o corpo é de um maçom que havia traído a maçonaria e que o mesmo aconteceria caso o iniciado repetisse o fato.
   Na conclusão da iniciação para "aprendiz maçom", o iniciado ouve a seguinte frase:
   "agora também devo prevenir-vos de que não zombamos das crenças religiosas. Julgamos, sim, que a nossa maior homenagem ao Grande Arquiteto do Universo, que é Deus, como instituição eclética que somos, é admitir na nossa ordem, para conviver fraternalmente, todos os homens livres e de bons costumes, qualquer que seja a sua religião."
   No "ritual de exaltação" ao grau de "mestre", o terceiro e último grau na maçonaria simbólica, o "companheiro maçom" (segundo grau na maçonaria simbólica) entra num caixão com os pés voltados para o oriente, onde fica o trono do chefe da loja, os calcanhares em forma de esquadro e a mão direita estendida ao longo do corpo, que deve ser coberto com um pano preto, dos pés à cintura, junto com o avental usado do grau anterior.
   O juramento para o grau de mestre é o seguinte :
   "Eu, (fala-se o próprio nome), juro de minha livre vontade e em presença do grande Arquiteto do Universo e desta augusta e respeitável loja consagrada a São João, nunca revelar os segredos do grau de mestre. Se eu for perjuro, seja meu corpo dividido ao meio, sendo uma parte lançada ao meio-dia e a outra ao centurião, e as minhas entranhas arrancadas e reduzidas ao vento. Amém."
   ESTRUTURA MAÇÔNICA
   Juramentos: Para cada grau da Maçonaria há um juramento específico.
   Ritual de Iniciação: Para o 1º grau, aprendiz, lhe é posta uma venda nos olhos e vestes especiais. É conduzido da porta do templo onde afirma ser um profano que está vindo para a luz da Maçonaria.
   Símbolos: instrumentos de pedreiro e arquiteto são muito usados, bem como aqueles usados pelos sacerdotes no Antigo Testamento.
   Esquadro – significa a retidão, limitada por duas linhas: uma horizontal (que representa a trajetória a percorrer na Terra, ou seja, o determinismo, o destino) e outra vertical (o caminho para cima, dirigindo-se ao cosmo, ao universo, ao infinito, a Deus).
   Compasso - traça círculos e, abrindo e fechando, delimita espaço. Representa o senso da medida das coisas. Significa a justiça.
   Nível - representa a igualdade: todos os homens devem ser nivelados no mesmo plano.
   Prumo - indica que o maçom deve ser reto no julgamento, sem se deixar dominar pelo interesse, nem pela afeição.
   Pentagrama - representação de um homem de pé, com as pernas e os braços esticados: indica o ser humano e a sua necessidade de ascensão.
   Colunas – são três as colunas no templo maçônico, uma significa o masculino, a força; a outra, o feminino, a beleza; e a terceira, a sabedoria.
   G - a letra G representa o grande geômetra, que é Deus.
   Avental - usado por todos os maçons durante as sessões, o avental representa a pureza, a inocência.
   Espada - é o símbolo da igualdade, da justiça e da honra. Corresponde à consciência e à presença divina na construção do templo.
   Sol - é a fonte da vida, a positividade da existência do homem.
   Delta luminoso - Representa a presença de Deus, demonstrando a sua onisciência. É um triângulo com um olho no centro. O Delta, triângulo que tem no centro um olho que representa todos os atributos da divindade, fica acima do trono do Venerável Mestre, entre o sol e a lua, que representam as forças do sumo Criador.
   Culto: O Código maçônico diz que o verdadeiro culto a Deus consiste nas boas obras.
   As Orações: Fazem orações, entretanto não em nome de Jesus Cristo como ensina à Bíblia, nem tampouco fazem citações a Ele ou menção do Seu nome.
   Cerimônias Fúnebres: nos funerais há uma cerimônia na loja, sem a presença do falecido; outra em uma igreja ou residência, e outra no cemitério.
   Em todas elas a salvação pelas obras é enfatizada e diz-se estar o falecido passando da Loja Terrestre para a Loja Celeste, o que logicamente implica o fato de crer a Maçonaria que seu adepto está salvo.
   POR QUE NÃO PODE UM VERDADEIRO CRISTÃO SER MAÇOM?
   Contrária a Bíblia, a Maçonaria ensina que as obras podem levar o indivíduo a atingir um padrão tão elevado de moral, pureza e justiça que ao morrer, ingressa na Loja Celestial. Isso se contradiz com os ensinamentos de Deus, onde se ensina a salvação pela graça, por meio da fé (Efésios 2:5-8).
   Exige-se, também, o juramento da guarda de segredos que não se conhecem previamente: tal procedimento pode levar o adepto a desmerecer a soberania moral do Senhor em ocasiões que a Maçonaria venha a exigir.
   O secretismo maçom faz do adepto um elemento fechado e sem condições de esclarecer determinadas situações, mas as sociedades secretas se caracterizam pela origem pagã e são contrárias à Palavra de Cristo e ao caráter do cristianismo.
   Além disso, a Maçonaria prega a fraternidade, ou seja, a comunhão entre todas as pessoas. Como admitir isto se Cristo disse que não pode haver comunhão entre a luz e as trevas (2 Coríntios 6:14)?
   O deus da Igreja Maçônica, o Grande Arquiteto do Universo, é um Deus diferente do da Bíblia e guarda costumes que são contrários à Palavra do Criador:
   A Maçonaria não crê na Trindade (1 João 2:23) e admite que qualquer pessoa pode ser levada à Loja Celestial, além de aceitar qualquer nome para Deus: Alá, Brahma, Buda,Confúcio, Zumbi ou qualquer outro… todos são identificados como "Jeová".
   A respeito do Senhor Jesus Cristo, a Maçonaria simbólica diz que em seus arquivos, conservados religiosamente pelos monges do Tibete no Himalaia, consta que no período de 12 aos 30 anos, Jesus permaneceu um bom tempo com os monges do Tibete, sendo ali conhecido com o nome de "profeta Issa".
   Embora a Bíblia não descreva a vida de Jesus durante esse período, a Bíblia registra que o ministério de Jesus Cristo se desenrolou apenas após seus trinta anos.
   A Igreja Maçônica é uma sociedade profana onde existem símbolos, ritos, dogmas e mistérios oriundos do judaísmo e do paganismo egípcio e babilônico.
   Cerimônias e objetos bíblicos são usados com finalidades diferentes, ao bel-prazer maçônico em um flagrante desrespeito às Escrituras Sagradas.
   Ora, amigo:
   "Errais, não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus." (Mateus 22:29b)
   Por que não darmos ouvidos às palavras do "nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus" (Tito 2:13)?
   "Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam." (João 5:39)
Versão baseada e revisada na fonte:
Estudos Bíblicos "Ide e Pregai"